REVIEW | From Dusk Till Dawn 1x05: Self-Contained [SPOILERS]

We made it! We are in Mexico. A sinopse de “Self-Contained” pode ser descrita de uma maneira bem simples e direta: Os irmãos Gecko tentam atravessar a fronteira dos Estados Unidos, rumo ao México. Seguindo a fórmula básica que nos foi apresentada no Piloto, o quinto episódio de From Dusk Till Dawn recria e expande esse pequeno seguimento do filme, adicionando a ele uma série de novos ingredientes, de forma a sustentar a tensão durante seus quase 50 minutos de duração.

Apesar de a sinopse fazer referência apenas aos irmãos protagonistas, aqui eles são novamente deixados em segundo plano para que os personagens coadjuvantes também possam se desenvolver. Logo na primeira cena, assistimos a um flashback de Jacob dirigindo um carro, ao lado de sua esposa (descobriríamos a seguir que essa cena antecede o triste acidente que causa sua morte). Essa sequência (do acidente e de suas consequências imediatas) é dividida em diversas passagens, pontuadas por todo o episódio. Sempre que possível, tais passagem eram imediatamente sucedidas por cenas que viam a contrastar com a atual conduta de Jacob – e sua falta de fé -, ou até mesmo a postura de seus dois filhos em relação à história, permitindo que o espectador compreenda mais facilmente as motivações do Pastor.

Com isso, fica mais uma vez evidente a preocupação dos roteiristas em delinear bem os traços de cada um dos personagens. Essa é uma atitude muito válida (pra não dizer necessária) para qualquer série. Afinal, são essas explicações que vão nutrir todas as atitudes e reações diante dos perigos e do caos que eles, em breve, irão enfrentar.

O vampiro Carlos vem chamando a atenção em todas as cenas que aparece. Neste episódio, não foi diferente. Carlos é um personagem que existe no filme, mas que aparece apenas no final. Ou seja, lá, ele realmente não prova ser muito importante. Entretanto, aqui na série, ele se prova uma figura essencial (ao contrário do que disse Seth) para que os irmãos Gecko atinjam o objetivo almejado. Conferimos também um pouco mais de suas habilidades e influência, e constatamos o quão bad-ass ele pode ser, se quiser. Não dá ainda pra imaginar o futuro de Carlos na série, nem exatamente sua relação com os protagonistas, mas tudo mostra que ele é primordial para os acontecimentos que vão se suceder.

Carlos também funciona como um “rival” do Freddie, que desde o primeiro episódio, busca prender os irmãos Gecko e encontrar o chefe do Cartel para que possa acabar com suas operações. Além disso, sabemos que Freddie está motivado também pessoalmente, devido à morte de seu parceiro e mentor Earl, causada pelos irmãos. Essa rivalidade e essa insistência em fazer justiça funcionam como o motor de toda ação aqui em “Self-Contained”. Todavia, a influência da faca (que está sob a posse de Freddie) sequer foi mencionada aqui. Sei que isso foi feito pra que o episódio caminhasse bem, mas é um pouco contraditório passar o episódio anterior praticamente inteiro explorando a mentalidade do personagem sob o domínio “da faca”, pra que depois esse domínio seja totalmente negligenciado.

Vale relembrar que esse episódio voltou a apresentar uma tímida ponta humorística, como exemplifica a cena daquele rapaz – em cujo carro Jacob esbarra – acordando, completamente perdido, dentro do trailer. Esse descompromisso e a vibe non sense/trash do filme são coisas das quais tenho sentido falta na série. Ainda acredito que essa vertente passe a ser explorada nos episódios futuros, mas tenho certas dúvidas se isso conseguirá ser feito de uma forma plausível, vez que uma mudança sutil pode não ser bem sucedida, e que uma brusca pode assustar.

Sumarizando, percebe-se que “Self-Contained” conseguiu trazer bons momentos e dar o passo que faltava pra que a From Dusk Till Dawn tenha suas reviravoltas. O conteúdo do episódio, em si mesmo, talvez seja o menos interessante e o mais “burocrático” até agora. Entretanto, seu grande mérito consiste em nos indicar que algo novo e muito interessante está por vir. Finalmente chegamos ao Titty Twister, o bar mais LOUCO do México. O caos, provavelmente, há em breve de ser instaurado. Até o próximo episódio, Ramblers!
    Blogger Comment

0 comentários:

Postar um comentário